segunda-feira, 17 de agosto de 2015


É com uma imensa satisfação que comunico: NÃO TENHO MAIS NENHUM LIVRO DO NICHOLAS SPARKS PARA LER! #TodosComemora


O Melhor de Mim conta a história do romance entre Dawson Cole e Amanda Collier.


Ambos se conheceram quando adolescentes e se apaixonaram perdidamente, mas por diversos motivos, dentre os principais a diferença social e econômica, se separaram e seguem com suas vidas. Dawson como técnico em uma plataforma de petróleo e Amanda como mãe e esposa. Até que por conta da morte de um amigo em comum, ambos, sem saber antecipadamente, são obrigados a se reencontrar.


Se você leu a minha resenha de Uma Longa Jornada já sabe, Nicholas Sparks é um autor que eu realmente tentei gostar. Comprei vários de seus livros na promoção, troquei outros na época que eu usava o Livra Livro, mas não adianta. Não é para mim. Eu não gosto por vários motivos e todos eles podem ser encontrados em O Melhor de Mim.



E encontrados de forma bastante exagerada, pois o que mais detesto nos livros do Sparks é o fato de SEMPRE haver alguma desgraça, principalmente na forma de doença. E O Melhor de Mim abusa e usa da desgraceira. Para começar no sobrenome do mocinho. Os Cole são uma família bastante problemática em Oriental, cidade onde a história se passa. Geralmente envolvidos em trafico de drogas, assassinatos e todo o tipo de confusão, são mal vistos, temidos e evitados. Só pelo fato de Dawson ser um Cole já é motivo para ele ficar bem longe de Amanda, uma Collier, o que equivale a ser um membro da realeza local. Mas não para por ai. Explosões em plataformas de petróleo, acidentes de carro, alcoolismo, prisões, problemas financeiros, criança com câncer, jovem com problema no coração… Ufa! Mais um pouco eu ficaria na duvida se estava lendo um romance ou um jornal sensacionalista.



Outra coisa que sempre me incomoda é a narrativa mastigadinha. Sparks não abre espaço para o leitor pensar. Ele apresenta o fato uma vez, dali a pouco relembra e pouco depois relembra novamente. Menos né. Sua escrita é fluida e simples, não precisa contar a mesma coisa mais de uma vez.


E por fim, o romance em si. Sim, é bonito ver o casal se reencontrando depois de tanto tempo. Dawson fascinado ao ver como Amanda ainda é basicamente a mesma, com seus olhos azuis e cabelos dourados. E Amanda temerosa ao notar como Dawson amadureceu e se tornou um belo homem, mas sempre se lembrando do marido e filhos que deixou em casa. O problema é que a coisa é tão melosa, mas tãooo melosa, que se torna cansativa e forçada.


Quem leu qualquer outro livro do Nicholas Sparks já sabe o que esperar, pois a formula de O Melhor de Mim é exatamente a mesma de sempre. Quem nunca leu e tem curiosidade, não começaria por esse.



4 comentários:

  1. Thalita, estou buscando outro livro para ler, mas lendo a sua resenha, tenho certeza de que não será esse. Cansa demais livros muito chorosos. Valeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Regina! Obrigada pela visita e desculpe a demora para responder. Também acho cansativo, ainda mais quando o autor sempre escreve da mesma forma. A gente começa a ler o livro e já sabe o que esperar :/ Bjs

      Excluir
  2. Dele li apenas dos livros, o resto preferi assistir ao filme mesmo. Inclusive assisti recentemente Um Longa Jornada e amei, fiquei com vontade de ler o livro, mas não sei se me arriscarei.
    Gostei da resenha e concordo quando fala que os livros dele sempre apresenta alguma desgraça.
    Beijos.
    http://recolhendopalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dany! Obrigada pela visita e desculpe a demora para responder. Ainda não consegui ver o filme, mas o livro de Uma Longa Jornada é bem bacana. Ele é menos choroso. Bjs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

No Blog

Arquivo

Sorteio

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.