quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Se tivesse que escolher uma palavra para descrever esse livro, certamente, seria: Impressionante. Foi assim que fiquei quando, às três da manhã, terminei o livro e não consegui dormir, impressionada e pensativa.


Há alguns anos assisti ao filme e fiquei bastante admirada com a trama, mas era o mesmo tipo de admiração que uma pessoa tem quando lê um livro profundo de forma superficial. Mas esse não é um livro para se ler de forma rasa, pois todo o brilhantismo se encontra nas sutilezas. Não me entenda mal, o filme é ótimo e a atuação de Keira Nightley, Andrew Garfield e especialmente Carey Mulligan é super fiel, mas esse é um livro que tem mais a dizer do que a tela pode trasmitir.





O livro é classificado como ficção científica devido a sua temática, mas para mim é mais um romance psciológico que revela uma pouco evidente distopia em uma  aparente utopia com maestria. O mais surpreendente não é afinal a grande revelação do livro (apesar de ela chocar a quem não tenha ainda visto o filme ou lido o livro, por isso evitarei spoilers), que o caracteriza como ficção científica, mas sim a riqueza de detalhes, da trama e do universo criado.

Esse não é um livro de leitura fluída como muitos dos escritos em primeira pessoa, é pesado e algumas vezes até cansativo, devido à forma peculiar e completamente detalhista como é escrito. Através das memórias da protagonista, você mergulha na vida dos personagens, nem sempre de forma linear, em cada detalhe sutil que muitas vezes parecem irrelevantes, mas que vão aos poucos delineando de forma profunda a personalidade de cada um e nos possibilitando entender - mesmo que nos enfureçam - cada uma de suas decisões. Acompanhamos a vida de Kathy, Ruth e Tommy tão intensamente, da infância à vida adulta junto com todas as suas provações - as universais para a idade e as singulares apresentadas - , que chegar ao final do livro é como despedir-se com uma dor no peito de amigos que nos acompanharam por muitos anos.




É uma narrativa delicada e linda, mas também pesada e que levanta muitos questionamentos, tais como o porquê de as pessoas ferirem de forma gratuita àqueles que amam e colocarem sua felicidade a frente dos demais, ou mesmo a capacidade humana de negar-se a fazer os questionamentos evidentes quando isso de alguma forma lhes é cômodo.


De forma envolvente e delicada, Ishiguro consegue abordar questões universais como a perda da inocência, amizade, amor, solidão, redenção, tempo perdido e a humanidade própriamente dita, de forma excepcional, em um livro triste e belo. É o tipo de história que não te abandona tão cedo, permanece nos pensamentos por um longo período e tem a capacidade de te arrepiar, fazer sorrir e carregar lágrimas no olhos ao mesmo tempo.


Esse é um dos melhores elencos infantis que eu já vi, idênticos aos atores e personagens

Definitivamente, esse livro ganhou um lugar de destaque na minha estante na prateleira dos favoritos. Infelizmente, a versão física em português está esgotada, então quem tiver o interesse de ler precisará da versão digital ou dar muita sorte para encontrar algum volume remanescente perdido em algum sebo por aí. Caso a Companhia das letras relance, alguém, por favor, me dá um grito, pois também quero a versão em português.

It never occurred to me that our lives, until then so closely interwoven, could unravel and separate over a thing like that. But the fact was, I suppose, there were powerful tides tugging us apart by then, and it only needed something like that to finish the task. If we'd understood that back then - who knows? - maybe we'd have kept a tighter hold of one another.

Em tradução livre:

Nunca me ocorreu que nossas vidas, até então tão intimamente interligadas, poderiam se desfazer e separar por uma coisa como essa. Mas o fato era, eu suponho, haviam correntes poderosas nos separando a essa altura, e apenas era necessário algo como isso para terminar a tarefa. Se nós tivéssemos entendido naquela época, quem sabe? Talvez tivéssemos segurado uns aos outros com mais força.


Talvez nenhum de nós realmente entendesse aquilo que vivemos, ou sentimos que tivemos tempo suficiente.




2 comentários:

  1. Eu assisti o filme há tanto tempo, nem lembro direito o enredo mas lembro que amei muito. Deu vontade de ler!

    Beijinhos, Hel.

    leiturasegatices.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hel. Obrigada pela visita.
      Se vc gostou do filme, vai se encantar com o livro. Ele realmente se tornou um predileto meu, uma pena não ter saído uma nova impressão.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

Arquivo

Sorteio

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.