segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016


Adoro um livro que envolva animais, principalmente cães. Pirei quando li a sinopse de Soldier. Além de conter a história de um cão o livro se passa na Primeira Guerra Mundial. Ou seja, eu PRECISAVA ler!


No comecinho do livro conhecemos Stanley, um garoto apaixonado por animais, seu pai e a premiada Rocket. Seu pai é um homem amargurado por conta da morte da esposa e alistamento do filho mais velho no exercito. Cria e preza animais de raça puro sangue e praticamente surta quando o garoto deixa a cadela fugir no cio.


Quando Rocket volta, é desprezada pelo pai de Stanley. Em meio a uma grande ansiedade, o garoto trata da cadela durante a sua gravidez. Nascem vários filhotes, um em especial conquista o coração do garoto e recebe o nome de Soldier.

Mas o pai que não quer saber de cachorros vira-latas em seu terreno. Vende a ninhada para ciganos da região mas Stanley consegue ficar com Soldier. Até o dia em que o pai surta de vez e resolve dar fim no filhote. Stanley, que já não aguentava a tempos a situação na sua casa, resolve que é hora de partir. Foge de casa, mente sobre a idade e consegue se alistar no exercito. Mas o garoto não quer servir a pátria. Entra para o exercito para encontrar o irmão, Tom. Uma vez lá dentro percebe que encontra-lo não será tão fácil. É designado para a sessão de treinamento de cães mensageiros e se torna tutor do orgulhoso Bones, um belo dinamarquês tigrado.



Terminei Soldier com um sentimento conflitante. Comecei a leitura bastante empolgada e fui realmente cativada pelo começo da história. Senti uma raiva tremenda do pai do Stanley e adorei a descrição do treinamento do Bones. Os cães passavam por duras situações, treinados em meio a tiros e bombas. Aliais, no finalzinho do livro, a autora conta que o dinamarquês foi inspirado em um cão mensageiro real que serviu na Primeira Guerra Mundial. Toda a parte canina do livro é fantástica.



Mas minha animação foi diminuindo, diminuindo e diminuindo… Se o treinamento foi descrito com esmero o mesmo não pode ser dito das táticas de guerra e batalhas. Me senti um pouco confusa em várias passagens. Chega um momento que a busca por Tom começa a irritar. Tentei o tempo todo ver a situação por parte de um rapaz de 15 anos mas foi difícil. E, o mais importante, faltou ousadia por parte da autora. Não comecei Soldier esperando por um banho de sangue, mas por se tratar de um livro que se passa na guerra não esperava certas situações tão felizes e otimistas.



Acho que esperei demais de Soldier. O livro é uma boa pedida para quem gosta de cachorros e quer saber sobre o seu importante papel na guerra. Apenas não espere muito sobre a guerra em si.



A titulo de curiosidade, encontrei no site Metamorfose Digital fotos reais de cães mensageiros em ação na Primeira Guerra Mundial. Seguem algumas :)





8 comentários:

  1. Thalita, tudo bom?
    Já li Soldier também e amei o livro! Me encantei com toda a narrativa mesmo ela tendo sido um pouco cansativa nas partes de guerra, como você mencionou. O que me fazia seguir em frente com elas era mais para ver o que aconteceria com o cachorro e lá no fundo eu ficava "Por favor, não morra! Por favor, não morra! Não matem o cachorrinho!" haha
    Também fiquei com muito ódio do pai do Stanley pelo que ele fez com o cachorro (e com o filho também, né). Mas fiquei suspeitando do que realmente tinha acontecido... Tanto que passei o livro todo pensando que qualquer novo cachorro era o Soldier! Sabe aquele livro que você fica o tempo todo falando com você mesma? hahahaha

    Achei uma história muito bonita, apesar de todo o cenário de guerra.

    Beijo
    http://www.blogleituravirtual.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marina!
      O que me decepcionou foi isso. Eu gosto do cenário de guerra, e achei que aqui ele não foi bem trabalhado :( Eu só terminei o livro pois como você queria muito saber o que iria acontecer com o cachorro hehehe
      Bjs

      Excluir
  2. Oi, Thalita.
    Gostei muito da premissa do livro, que pena a autora não ter aproveitado o momento histórico da narrativa, pois poderia enriquecer o livro :/

    Beijos!

    Leituras & Gatices

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Hel!
      Pois é :( Uma pena. Mas para quem não liga tanto para o lado histórico é uma boa pedida.
      Bjs

      Excluir
  3. Oi, Thalita!
    Já vi algumas resenhas desse livro, mas infelizmente não é meu tipo de leitura.
    Achei bem bacana essas fotos que você postou.
    Beijos
    Balaio de Babados | Participe do sorteio do livro Marianas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiza!
      Ah eu adoro livros com bichos hehe
      Legais né? Fui pesquisar, encontrei e resolvi postar. No site tem mais.
      Bjs

      Excluir
  4. Oi Thalita...
    Já tinha visto este livro, mas não li a sinopse... nem me passava pela cabeça q era sobre guerra... acho q eu vou sofrer muito vendo este treinamento de cães em meio a balas... só de pensar... aaaafffffff.... Eu adoro livros com cães, mas não sei se conseguiria ler este...

    Belas terapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Laila!
      É sim. A parte do treinamento é tranquila apesar de tudo, o que dá mais aflição é ler sobre os cães no front de batalha.
      Bjs

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

No Blog

Sorteio

Arquivo

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.