quinta-feira, 14 de abril de 2016



Em Stonehenge, um dos poucos livros do autor que não faz parte de uma trilogia ou série, Bernard Corwell nos conta a sua versão, com base em inúmeras pesquisas, para a existência dos círculos de pedra no território inglês. Saban é filho de Hengal, chefe tribal, e irmão de Lengar e Camaban. Enquanto Lengar é o filho prodígio, Camaban é considerado um pária vive as margens da tribo. Até o dia em que os deuses o recusam como sacrifício e ele parte para se tornar um grande feiticeiro. 



Em um ato de traição, Lengar assassina o pai e expulsa Saban, que só mais tarde descobre que foi mantido vivo por influência de Camaban. Camaban deseja construir um grande templo de pedras para honrar seu deus e incube Saban da tarefa.



Os costumes da tribo e a forma como sobreviviam em uma época selvagem e com tecnologias improvisadas é o mais interessante. As descrições de utensílios, por mais que seja repetitiva, é bacana de se ler e nos faz imaginar como deveria ser viver naquela época. As descrições dos sacrifícios, inclusive humanos, são algumas vezes bastante aflitivas.

Eu poderia resumir o livro em em uma palavra: pedras. Chegou um momento que eu não aguentava mais ler sobre as pedras. Corwell não se limita a dizer que carregaram as pedras do ponto A ao B, ele descreve TUDO. Como removeram as pedras, quantos bois usaram, quais utensílios, quanto tempo levou para remove-las, depois quanto tempo para transporta-las, lixa-las, fixa-las no lugar… Ok descrever o processo. Afinal, por isso que resolvi ler esse livro. Mas ele descreve tudo o tempo todo e mais de uma vez, tornando a narrativa desnecessariamente extensa e cansativa.


A divisão dos capítulos é estranha. Não ocorre quando um assunto acaba, por vezes o assunto muda no próximo paragrafo. Corwell nos apresenta no final do livro um apêndice sobre o que é considerado real e o que foi ficção na história e deixa suas fontes para consulta. Por mais que eu goste de história não tive paciência com Stonehenge. Poderia ser um livro muito mais agradável com menos repetições.



14 comentários:

  1. Vish! Vou passar longe desse livro, hahaha. Só aguento descrição demais em Tolkien e Martin rsrs.
    E o pior é que esse livro é quase um calhamaço!

    Beijinhos, Hel - Leituras & Gatices

    ResponderExcluir
  2. Oi, Thalita!
    Eu nunca li nada do Bernard, então me empolguei quando você disse que esse era livro único. A empolgação foi embora quando li que ele não para de falar sobre pedras. Não rola pra mim tanta descrição.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Porcelana - Financiamento Coletivo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiza!
      Além de muita descrição é muita, mas muita, repetição. Caso queira ler algo do autor pegue a trilogia A Busca do Graal. São três livros que rendem muitissimo melhor que esse sozinho.
      Bjs

      Excluir
  3. Sério que você não gostou? A proposta do livro parece ser bacana, achei surpresa sua resenha. Não direi que não lerei, mas já não vou com tanta "sede ao pote".

    Visite: Cantina do Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carlos!
      Infelizmente não :( Mas pode ser por conta do meu perfil. Eu não suporto repetição de informações em livros e esse tem de monte. Espero que goste caso venha a ler :)
      Bjs

      Excluir
  4. Olá Thalita!
    Puxa... Por mais que seja um assunto que acho interessante, não sei se leria não.
    Não tenho paciência para livros históricos cheios de detalhes repetitivos e desnecessários.
    Mas tirando isso, o livro me parece ser muito bom!
    Beijo

    http://www.blogleituravirtual.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marina!
      Também não tenho. Alguns autores adoram repetir. Gosto muito da Trilogia do Graal mas mais um pouco eu estava construindo meu próprio arco de teixo de tanto que o autor repetiu sobre aquilo...
      Bjs

      Excluir
  5. Stonehenge é o livro mais fraco do Cornwell, digamos assim, eu até nem recomendo que as pessoas leiam ele até terem terminado vários dos livros do autor. Se quiser uma recomendação BOA dele de livro único, sugiro Azincourt.

    http://desbravandolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vagner!
      Achei muito chato. Eu tenho o Azincourt, agora fiquei até mais animada para lê-lo :) Obrigada pela dica!
      Bjs

      Excluir
  6. Nossa que interessante, nem imaginei que teriam teorias por ai sobre o stonehenge, acho essas teorias históricas fascinantes!

    www.memoriasdeumaguerreira.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Flavi!
      Também curto muito. Ainda que o livro seja meio chato a parte história é bastante interessante.
      Bjs

      Excluir
  7. Hey! Acredita que comprei esse livro uns anos atrás e ele ficou eternamente na estante? Acabei trocando sem ler, pelo visto, não perdi muito.

    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Krisna!
      Realmente, não perdeu muito rs
      Bjs

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

Arquivo

Sorteio

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.