terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Dez pessoas desconhecidas são convidadas, cada uma com seu motivo, para visitar a Ilha do Soldado. Em todos os quartos há um quadro com um poema. Durante o jantar uma voz misteriosa passa a anunciar fatos assombrosos do passado de cada um dos convivas. Não tarda para a primeira morte acontecer para os anteriormente simpáticos colegas serem vistos com suspeita e resignação. Tudo o que podem fazer é aguardar a balsa prevista para o dia seguinte. Mas a balsa não chega, uma tempestade está a caminho e o clima de tensão só aumenta quando uma segunda pessoa morre. Pois afinal, quem está matando os convidados?



Fiquei um tempo pensando se faria ou não essa resenha. Eu assisti a minissérie da BBC primeiro, chamada And Then There Where None, e PIREI! Iria fazer um Elfgeek só para a minissérie quando resolvi ler o livro. Mas a minissérie é muitíssimo bem adaptada e fiel, e como grande parte dos sentimentos relacionados a história vieram primeiramente dela, resolvi falar da história como um todo e fazer uma resenha.


Agatha Christie capricha nos personagens. Temos uma antiga tutora, uma boa religiosa, um juiz aposentado, um ex-militar, um qualificado médico… Todos aparentemente respeitáveis até que seu passado nos é apresentado em meio a situação presente. Os personagens começam a morrer e fui ficando com o mesmo sentimento dúbio de justiça que tive durante a leitura do Assassinato no Expresso do Oriente (resenha aqui). Um misto de “Poxa, mas era uma pessoa tão boa… Peraí, não era não!”.

A história é tensa e recheada de suspense. Quando desconfia-se que alguém é o assassino essa pessoa é assassinada e você fica perdido assim como os personagens. O ritmo é rápido e fluido e a curiosidade para se saber quem raios está por trás daquilo é tamanha que o livro é facilmente devorado em um dia.


Quem assistir a adaptação verá vários atores de Game of Thrones, com destaque para Charles Dance (Lord Tywin) na pele do Juiz Wargrave, Toby Stephens (Capitão Flint de Black Sails) como Dr. Edward Armstrong e, o motivo pelo qual eu descobri essa história, Aidan Turner (Kili de O Hobbit) como Philip Lombard. Aliás, Lombard é o melhor personagem, pois se não bastasse todo o charme de Turner ainda é o único que assume o que fez.

Aidan Turner como Philip Lombard

Gostei muito do livro e fiquei contente em ter dado mais uma chance para a autora, pois não curti muito o Assassinato no Expresso do Oriente. Devido ao sucesso, a BBC One planeja lançar sete novas séries adaptadas de romances da Agatha Christie nos próximos quatro anos, começando por “Punição Pela Inocência”, por enquanto sem data de lançamento.


Nota: 5/5 ★

6 comentários:

  1. PERAINDA QUE TEM O AIDAN NA ADAPTAÇÃO?!?!?!?!?! Agora com certeza vou dar uma conferida, tanto no livro quando na série.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiza!
      Teeeemmmmmmmmmm! Ele está maravilhoso!
      Bjs

      Excluir
  2. Oi, Thalita. Tudo bem?

    Eu tô querendo muito ler esse livro, porque eu li uns livros da Agatha e não achei tudo isso. Muita gente diz que esse é o melhor dela. E parece ser bem interessante.
    Beijinhos, Hel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Hel!
      Eu também não estava animada com a autora graças ao Assassinato no Expresso do Oriente que achei bem fraco. Mas esse é bem melhor e me prendeu muito mais :)
      Bjs

      Excluir
  3. Pra mim esse é o melhor livro da Agatha Christie e um dia ainda comprarei uma nova edição para reler, só não gostei da troca de título.

    http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/?m=1


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ronaldo!
      Eu prefiro o novo título, mas ele já meio de cara dá um spoiler né? Ai nesse sentido fica estranho.
      Bjs

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

No Blog

Arquivo

Sorteio

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.