quarta-feira, 29 de março de 2017

Se já não bastasse o clássico “Meninas Malvadas” que marcou a juventude de muita gente nos anos 2000 para eu amar a Tina Fey, eis que ela escreve uma autobiografia que me fez gargalhar desde a introdução e me tornou uma fã ainda maior.

Não dá pra ficar triste lendo esse livro <3
Fora “Meninas Malvadas”, sempre achei a Tina Fey extremamente engraçada seja em um de seus filmes, suas participações no Saturday Night Live, suas apresentações em premiações, revendo vídeos antigos do Weekend Update ou mais recentemente com Umbreakable Kimmy Schmidt. Até então conhecia 30 Rock, mas ainda não havia assistido. Então, o livro estava na minha lista havia algum tempo.

Quando comecei a ler, não consegui parar mais. Para quem é fã, é como ouvir a voz de Tina Fey em sua cabeça - o que pode literalmente ocorrer, pois há também um audiobook. É uma escrita fluida como um bate-papo. E um bate-papo extremamente divertido. Fiz com esse livro algo que não fazia há anos, o li inteiro num único final de semana. E o tempo passou que eu nem vi.

Tina tem a habilidade de fazer a ironia e o humor derramar nas palavras. Eu literalmente me peguei gargalhando alto mais de uma vez enquanto lia, somente pra dar de cara com algum parente em casa ou estranho no metrô me encarando com estranheza.

Quando você encontra outro fã que entende suas piadas de Tina Fey

As histórias passam pelo sucesso e vem de muito antes, com momentos e percepções hilariantes da infância e adolescência da comediante. O livro trás também uma série de conselhos não requisitados dos mais diversos, dentre eles dicas de beleza, orientação profissional e até mesmo amamentação - eu que não sou mãe ri muito nesse capítulo. Óbviamente não é todo mundo que consegue chegar ao topo da comédia americana como a Tina Fey, mas ainda assim esse é um livro que torna fácil a identificação de qualquer mulher em algum ou vários tópicos, seja sobre puberdade, carreira, relacionamentos ou família, por exemplo, gerando algumas reflexões extremamente cômicas. Destaque pra linda amizade dela com a Amy Poehler, cuja a autobiografia entrou pra minha lista também.

Não há um capítulo sobre feminismo especificamente, mas obviamente quem conhece o trabalho da Tina já vai esperar que o assunto permeie o livro inteiro no tom de seu familiar discurso, de maneira divertida e carregada de uma boa dose de sarcasmo e coragem. É excepcional.

Em resposta àqueles que chamam mulheres fortes de vadia
Ensinamentos de "Meninas Malvadas"
Sobre o sexismo nos produtos voltados para o público feminino
Vale confessar que, desde que terminei o livro, comecei a assistir 30 Rock - já estou quase terminando -  e amando cada momento desse meu novo vício. Ela é uma fã enlouquecida de Star Wars e é possível ver referências na maioria dos episódios da série.



A autobiografia de uma mulher inteligente, talentosa e extremamente engraçada, “Tina Fey - A poderosa chefona” foi uma grata surpresa.  Uma leitura leve, divertida e enriquecedora que me deixou extremamente satisfeita e me tornou ainda mais fã da autora. She really is the boss!

Nota: 4,5/5★

“So, my unsolicited advice to women in the workplace is this. When faced with sexism, or ageism, or lookism, or even really aggressive Buddhism, ask yourself the following question: “Is this person in between me and what I want to do?” If the answer is no, ignore it and move on. Your energy is better used doing your work and outpacing people that way. Then, when you’re in charge, don’t hire the people who were jerky to you.”
Tradução livre:
"Então, meu conselho não solicitado para mulheres no ambiente de trabalho é esse. Quando encarar sexismo, ou preconceito por idade ou aparência, ou mesmo budismo muito agressivo, pergunte a si mesma a seguinte questão: "Essa pessoa está entre mim e o que eu quero fazer?" Se a resposta for não, ignore e siga em frente. Sua energia é muito melhor utilizada fazendo seu trabalho e ultrapassando pessoas assim. Então, quando você estiver no comando, não contrate pessoas que foram idiotas com você"




<3

2 comentários:

  1. Oi Jack,
    Não sabia que a Tina Fey tinha escrito o roteiro de Menina Malvadas. Mas em minha defesa, não tenho o costume de assistir séries que tendem para a comédia. Acho que a unica série que tenho acompanhado é The Umbreakeable Kimmy Shimidt e estou gostando bastante.
    Mas por ser uma biografia, acho que precisaria conhecer melhor os trabalhos dela para poder apreciar o livro.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alê. Pois é.
      Umbreakable Kimmy volta esse mês <3
      Olha, conhecer melhor os trabalhos dela não é imprescindível para ler (eu mesma não tinha visto 30 Rock), mas acho que fica mesmo mais proveitoso.

      Abs,

      Jack.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

No Blog

Arquivo

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.