terça-feira, 20 de junho de 2017

Durante a leitura de O Bazar dos Sonhos Ruins fiquei pensando se escreveria ou não uma resenha para ele. Por dois motivos. Primeiro, eu não gosto de contos. Salvo aqueles mais longos como os encontrados em Escuridão Total Sem Estrelas ou Quatro Estações, sempre fico com a impressão que quando o conto está ficando bom ele acaba. Segundo, a leitura desse livro teve alguns momentos sofridos. Interrompi a leitura dele três vezes antes de enfim terminar, coisa que raramente faço.

O Bazar dos Sonhos Ruins reúne 20 histórias do mestre King. Algumas já publicadas, outras inéditas. E tem conto para todos os gostos. Os mais puxados para o sobrenatural como “Duna”, “O pequeno deus verde da agonia” ou “Obituários”; alguns apenas sobre a vida como ela é com “Batman e Robin têm uma discussão”, “Moralidade” e o divertido “Fogos de artifício e bebedeira”; os sensíveis e que me emocionaram como “Indisposta” e “ Trovão de verão” e até mesmo um poema em “A igreja de ossos”.

Alguns são gostosos de se ler, e se não são divertidos, são pelo menos interessantes. Os meus favoritos são “Obituários” (na minha opinião o melhor do livro, vencedor do prêmio Edgar Award como melhor conto em 2016), conto sobre um rapaz que escreve obituários de gente famosa para um site sensacionalista. “Fogos de artifício e bebedeira” é sobre uma briga de vizinhos para descobrir quem solta melhores fogos de artifício no dia 04 de Julho. Por fim, “Indisposta” é aquele tipo de conto agoniante em que o leitor não demora para perceber o que aconteceu, mas não se pode dizer o mesmo do protagonista.


Por outro lado, outros são chatos e abusaram da minha paciência, com destaque para “Ur”, uma história envolvendo o Kindle da Amazon e referências aos livros de A Torre Negra e “Blockade Billy” sobre beisebol (talvez quem entenda de beisebol goste desse, eu detestei).


O livro possui um sumário e antes de cada conto Stephen King dá uma breve introdução sobre como a ideia surgiu e se transformou naquela história, tornando a leitura ainda mais interessante para quem é fã do autor ou pelo menos gosta de saber um pouquinho sobre o processo criativo de um escritor. Respeitando a capa original, a Suma de Letras mais uma vez fez um bom trabalho com as obras do King.


Pela pouca empolgação que o livro me despertou durante a leitura, a demora para finalizar a obra e meu “problema” com contos curtos, a nota seria três estrelas. Mas para a obra em si e pelos contos que realmente gostei, quatro estrelas. Para ficar no meio termo, O Bazar dos Sonhos Ruins leva três estrelas e meio :)

Nota 3,5/5 ★


4 comentários:

  1. Oi, Thalita!
    Eu quero ler esse livro e já anotei os contos um tanto fubecas que pra me preparar hahhahah
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Três Anos do blog A Colecionadora de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiza!
      uhauahua as vezes você gosta deles XD
      Bjs

      Excluir
  2. Oi Thalita, tudo bem?

    Eu adoro contos ao contrário de vc heheheheh mas é a primeira vez que leio King então está sendo bem devagar, ainda estou no terceiro, mas gostando bastante. Fico feliz que vc tenha optado por fazer a resenha, vou ficar de olho nos contos que vc citou!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mi!
      Que bacana que está curtindo o livro! Vai fazer resenha também? Depois quero conferir :)
      Bjs

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

No Blog

Arquivo

Sorteio

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.