quinta-feira, 27 de julho de 2017

Dunkirk é um filme sobre uma das facetas da guerra: a luta pela a sobrevivência. Logo nos primeiros segundos de filme já nos tira o fôlego e nos faz emergir num cenário de desespero e destruição. A ameaça vem impiedosamente pelos ares com poucas chances de combate direto e 400 mil homens, entre britânicos e franceses, estão presos ali se agarrando à esperança de retornar para suas casas, lutando e sobrevivendo da maneira que der. #FILMAÇO


O filme é baseado no livro de mesmo nome e conhecemos um pouco do que foi a Batalha de Dunkirk, na Segunda Guerra Mundial, mas precisamente a retirada dos soldados da costa da cidade. Acompanhamos o desenrolar desse resgate sob três perspectivas intercaladas: O Molhe, o Mar e O Ar.


No molhe, o píer do cais, acompanhamos um soldado britânico, Tommy (Fionn Whitehead), e sua luta para retornar para casa. É aí que conhecemos o desespero que assolam os soldados que já estão cansados, famintos e sem nenhuma informação de quando e se retornarão. 
No mar, temos a presença do patriotismo britânico. Um senhor (Mark Rylance), dois jovens e um barco de lazer decidem ir à Dunkirk sozinhos resgatar seus compatriotas nesse momento desesperador. Passando por diversos caças alemães e vendo com os próprios olhos os horrores da guerra e, de seu modo, tentando ajudar no que for possível.
No ar, vemos os caças britânicos tentando manter a defesa de Dunkirk para impedir ou amenizar os ataques alemães, os recursos estão escassos e é necessário frieza da equipe aérea para que consigam defender os ataques iminentes. 


Dunkirk é um filme para um telespectador atento aos detalhes, apesar de possuir poucos diálogos está longe de ser um filme parado, para se entender -ou não se perder- é necessário atenção desde os primeiros segundos de cena. Como a Jack disse ao comentar sobre minha impressão do filme: “um filme típico do Nolan: piscou, perdeu!”. Não é possível se aprofundar muito na história sem cometer o deslize dos spoilers, mas é preciso ser dito que é um filme que deve ser visto. Não somente pela construção narrativa, efeitos, sonoplastia e trilha sonora - que estão incríveis, mas porque ele fala de um outro tipo de vitória na guerra, a de sair vivo e conviver com aquilo que foi visto.


Nolan nos faz refletir sobre esses horrores do caos e suas possíveis consequências é um filme que te deixa agoniado e angustiado do início ao fim! Vale muito a pena assistir numa sala IMAX ou XD, possivelmente você vai sair atordoado da sala, tanto pelos sons de tiros, bombas e dos caças cortando o ar, como também por todo o significado que ele carrega, das alianças e patriotismo, da compaixão, da revolta e até das injustiças da guerra. 

Não tem como não torcer, ficar apreensivo e imaginar mil e um desfechos para os protagonistas e a partir do momento que a primeira cena surge na tela, os olhos ficam vidrados e o coração vem à boca e só nos resta mergulhar. É, com certeza, um filme de poucas palavras, mas de tirar o fôlego! 

recomendadíssimo e quem assistir volte para conversamos! Fique com o trailer dessa obra prima! *-*


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

No Blog

Arquivo

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.