sexta-feira, 21 de julho de 2017

Não é segredo algum que eu sou fanática por “How I Met You Mother” e Robin é uma das minhas personagens prediletas da série; então, quando eu vi que a Colbie estrelaria uma nova comédia da Netflix sobre um grupo de amigos meu pensamento foi “Comédia com Colbie Smulders? Claro. Quero. Lógico.”. E, como de costume, maratonei a temporada inteira, só que dessa vez as únicas razões foram o quão curta a série é e quão persistente eu sou. Bola fora da Netflix, infelizmente.



"Friends from College" trata de um grupo de amigos da faculdade (ah vah, é mesmo?), que frequentaram juntos Harvard, e se reencontram em Nova York depois de vinte anos com suas vidas completamente diferentes. Parece interessante, não é mesmo? Pois bem, é um tema interessante mesmo. Todos nós podemos olhar pra trás e ver aqueles amigos com quem passamos momentos importantes de nossas vidas como escola ou faculdade, jurando que nossa amizade jamais iria mudar, mas a verdade é que obviamente as pessoas mudam e as relações também. Mesmo assim durante algum ou muito tempo, por não querermos deixar o passado para trás e finalmente assumir que somos outros, nos apegamos uns aos outros tentando voltar no tempo e ser pessoas que já não somos e jamais voltaremos a ser, em nome de memórias. Essa parte, esse tema, é muito fácil de causar identificação, mas é somente isso mesmo na série.

Essa cena eu curti muito, definitivamente me vi fazendo isso com meus amigos talvez já tenhamos feito
Honestamente, não consegui me identificar com personagem algum. Alguns são forçados e, mesmo que a maioria deles seja até plausível ou ao menos justificável, alguns são tão mal desenvolvidos que acabaram tirando meu foco. Dos três principais personagens de apoio, achei Marienne (Jae W. Suh) bastante deslocada (talvez funcionasse melhor em outra série), Max (Fred Savage) interessante e com uma boa performance, mas que poderia ter sido melhor explorado e finalmente, Nick (Nat Faxon) de forma despretensiosa um dos personagens mais interessantes. Um dos personagens principais, Ethan Turner (Keegan-Michael Key), me beirou o odiável e, toda vez em que eu achava que finalmente estava começando a ceder, ele perdia completamente a linha novamente e me fazia voltar a odiar a personalidade do personagem, a performance do ator e acima de tudo algumas atitudes completamente descabidas que tinham o intuito de ser engraçadas e falharam tentando. A únicas personagens que me soaram mais convincentes foram Lisa Turner (Colbie Smulders) e Sam (Annie Parisse) e a relação delas que é um misto de amizade e competição, ambas com uma ótima atuação, entregando os únicos arcos que para mim fizeram mais sentido e que levantam questionamentos que pareçam razoáveis.

Assim, uma série que nasceu destinada a brilhar (elenco, tema, público, etc.) acabou não entregando o que prometia, sem acertar muito bem nem na comédia nem no drama e fica vagando em algum lugar ali no meio. Por fim, a série acaba soando bastante exagerada, mas não aquele tipo de exagero legal que funciona em comédia e sim aquele que deixa um leve incômodo, resultando em uma estreia decepcionante. Realmente uma pena. Melhor rever “How I Met Your Mother” pela trocentésima vez.



2 comentários:

  1. Oi, Jack!
    Eu também queria assistir por causa da Colbie. Assisti só o primeiro ep e desisti. Não curti também a série e não consegui me identificar e simpatizar com nenhum personagem.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Sorteio de Férias: cinco livros, um ganhador!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey, Luiza.
      Pelo feedback que estou tendo, não fui a única a achar ruim a série. De fato, não dá pra se identificar com os personagens, infelizmente.
      Tomara que não renovem e, caso renovem, mudem tudo aushuahusa
      Bjs

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Busca

Tecnologia do Blogger.

Sobre Nós

No Blog

Arquivo

Seguidores

Facebook

Instagram

Twitter

Editora Parceira

Parceiros

Postagens Populares

Visitas

As opiniões aqui presentes são próprias das autoras do blog, não representando necessariamente a opinião das editoras e/ou autores.