O Navio dos Mortos (Magnus Chase e os Deuses de Asgard #3) - Rick Riordan

Na aventura que encerra a trilogia nórdica do Rick Riordan, Magnus Chase e seus amigos precisam impedir que Loki zarpe com o navio Naglfar e dê início ao Ragnarök. Para tanto, o garoto precisa cruzar o oceano e enfrentar os mais diversos perigos para encontrar o hidromel de Kvásir a fim de adquirir destreza poética e derrotar o deus da trapaça numa competição de insultos.


Uma coisa que admiro muito no Riordan é a diversidade que ele coloca em suas histórias. Samirah por exemplo, a valquíria muçulmana, passa pelo período do ramadã durante toda a narrativa. Não podemos esquecer a personagem de gênero fluido Alex Fierro e o elfo mudo Heartstone. Também gosto da forma criativa como ele adapta os mitos para o nosso tempo, deixando a história divertida e atual.

Por outro lado, o excesso de personagens em O Navio dos Mortos foi desnecessário. O autor colocou todos os amigos do andar do Magnus na jornada, mas com o pouco desenvolvimento deles nos dois primeiros livros fica a impressão que sua presença serviu apenas para fazer volume. Riordan até tenta desenvolver alguns deles aqui, mas não foi o suficiente para se criar empatia. Por consequência, personagens queridos como Blitzen e Heartstone tem menor destaque ainda que o elfo tenha um arco muito legal.

Falta um senso de urgência no livro. Magnus tenta impedir o fim do mundo, mas não sentimos a gravidade da situação. A velha fórmula do autor para mim saturou. A todo momentos surgem monstros que prometem matar os jovens, dialogam um pouco e são mortos logo em seguida, sendo desnecessário se preocupar com a vida de qualquer personagem.


Não quero dizer que o Rick Riordan deva se transformar no George R. R. Martin. Apenas acho que, por mais que suas histórias sejam direcionadas ao público infanto-juvenil, ele poderia investir em uma maior carga dramática em situações como as que foram encontradas em O Navio dos Mortos. Sim, gostaria de ter visto alguns personagens em real perigo e um ou outro morto. É triste e cruel? Claro que é! Mas a vida real é assim, e por mais que eu leia fantasia para sair da realidade eu preciso que ela tenha alguma verossimilhança com o mundo de verdade.


O Navio dos Mortos poderia ser melhor, mas de modo geral a trilogia é bacana, divertida e vale a leitura. Se no começo eu achava o Magnus muito parecido com o Percy, isso mudou ao longo do tempo e Riordan conseguiu criar uma nova saga com características próprias ainda que siga a mesma fórmula. E para quem estava com saudade, Percy e Annabeth tem uma breve participação na história. O livro foi presente da Denise e o Dorbz do Loki foi presente da Lívia, obrigada amigas ♥

Nota: 3,5/5 ★
O Livro no Skoob: O Navio dos Mortos

3 comentários:

  1. Oi Thalita!
    Nunca li Riordan, mas sempre tenho a sensação de que suas histórias são cheias de aventura. É uma pena que esse livro tenha pecado no aprofundamento. Também acho que da sim para um escritor fazer uma historia voltada ao publico juvenil e ainda assim investir na carga dramática.
    Beijos,
    Alem da Contracapa

    ResponderExcluir
  2. Oi Thalita! Eu fico feliz em saber que a trilogia é boa, faz muitos anos que não elio nada do Riordan, mas tenho boas recordações do Percy rsrsrs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Olá Thalita,

    Essa é a primeira resenha que leio desse livro, gosto demais do autor e também acho que ele deve ter mais cuidado para não saturar ainda mais as sua histórias, pretendo ler essa série...ótima resenha...bjs.



    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.